Idioma:

Surfactante anfótero de origem vegetal para uso multifuncional em cuidados pessoais

Home / Surfactante anfótero de origem vegetal para uso multifuncional em cuidados pessoais

Surfactante anfótero de origem vegetal para uso multifuncional em cuidados pessoais

Uma experiência de incentivo, inovação e sustentabilidade

O Green CAPB-B é um co-surfactante fornecido pela Citróleo que tem eficácia comprovada em auxiliar no espessamento de formulações, promovendo ajuste de viscosidade com menor quantidade de eletrólitos, além de condicionamento, formando uma espuma macia e cremosa por mais tempo (comparada aos produtos comuns derivados do óleo de palma).

O posicionamento deste produto envolve a evolução do consumo de cosméticos naturais (vegetalização dos rótulos), combate ao desmatamento de florestas tropicais, impulsionado principalmente pelo uso de óleo de palma, que está presente na composição de concorrentes similares ao produto, além da origem comprovada (contrastando com concorrentes diretos do produto, cuja cadeia de produção não é clara e não está aberta aos clientes). Além disso na produção do óleo de babaçu bruto, origem do Green CAPB-B, estão envolvidos mais de 600 associados a cooperativas do estado do Maranhão e Tocantins.

Então, em uma iniciativa voluntária para combater o uso do óleo de palma para a produção de cosméticos e para o aprimoramento de ativos amazônicos, a Citróleo inova e lança uma nova linha de produtos que agrega a riqueza da biodiversidade brasileira à mais alta tecnologia aplicada em cosméticos, a linha CitroTech. São surfactantes naturais, provenientes de fontes vegetais totalmente rastreáveis, que preservam as características únicas e especiais de seus produtos originais.

A vegetalização das formulações cosméticas já é uma realidade global. Os consumidores estão mais conscientes das matérias-primas utilizadas na produção de seus itens de consumo, de modo que cada vez mais demandam de seus fornecedores uma posição em relação à ética e sustentabilidade de cada ingrediente utilizado.

De olho nessa tendência, a Citróleo concentra seus esforços em um nicho de mercado específico, mas em crescimento, que exige uma cadeia de produção limpa, eficiente e transparente. Nesse cenário, garante comprovada rastreabilidade de cada insumo envolvido na fabricação de seus surfactantes.

Em particular, o Green CAPB-B assume uma lacuna no mercado: embora com potencial de competição conhecido, o produto é o único da sua categoria, cujo principal ingrediente utilizado, o óleo não refinado de babaçu, tem sua origem completamente esclarecida, rastreável e isenta de desmatamento (provém de uma extração sustentável e planejada em comunidades atendidas pela empresa nos estados do Maranhão e Tocantins / BR).

O Green CAPB-B é uma betaína derivada do óleo de babaçu e possui excelente compatibilidade dérmica. Além disso, associado a surfactantes aniônicos, permite a redução sinérgica da irritabilidade aos olhos e à pele, trazendo uma espuma mais macia, estável e cremosa, além de ser naturalmente mais viscosa. O produto é adequado para formulações de shampoo transparente, perolado, cremoso e infantil, gel de banho, banho de espuma e sabonetes líquidos.

O óleo de babaçu, utilizado no Green CAPB-B, é proveniente de sementes coletadas por cooperativas e associações de trabalhadores do Nordeste do Brasil, parceiros do Grupo Citróleo. A coleta dessas sementes é feita manualmente: o tempo de maturação do fruto é respeitado e quando naturalmente ele se desprende da árvore é que os trabalhadores, ou catadores, como popularmente são chamados coletores, fazem sua colheita.

Essas organizações de trabalhadores geralmente ficam em comunidades com saneamento básico e moradia deficientes, sem acesso à educação alimentação e saúde de qualidade. Isso mostra a importância de se profissionalizar, incentivar e apoiar essas pessoas.

Um exemplo prático é o extrativismo do babaçu, um projeto da Citróleo em parceria com produtores do estado do Maranhão e Tocantins, que impacta diretamente a vida de mais de 600 pessoas, que juntas fornecem mais de 60 toneladas de óleo de babaçu completamente rastreáveis. Essa rede de cooperação ocorre em locais com IDH-M, em média, em torno de 0,60, segundo dados do PNUD 2000.

Em particular, todos os benefícios encontrados no uso do Green CAPB-B ocorrem devido ao seu óleo original, o óleo bruto de babaçu. Este óleo é composto de ácidos graxos em uma proporção de aproximadamente 85/15 entre saturados e insaturados, observação esta que indica consistência e orienta um uso final.

Seu constituinte principal é o ácido láurico (C12:0). A reação desse ácido graxo com ativos catiônicos aumenta a lipofilicidade do meio e com isso observa-se um aumento da permeabilidade de ativos. O ácido láurico é também o precursor da monolaurina (um consagrado antimicrobiano). Mas a particularidade do óleo de babaçu está na sua capacidade de atuar como um co-emulsionante, auxiliando não só a permeabilidade de produtos pela pele e couro cabeludo, como também estabilizando emulsões (seu valor EBL calculado é 8).

Toda a composição do óleo de babaçu permite que o surfactante Green CAPB-B apresente um desempenho superior ao da betaína regular a partir do óleo de palma, de forma que tanto comparativamente quanto objetivamente, o surfactante de origem natural apresente resultados muito satisfatórios.

Em um teste objetivo para avaliar as propriedades de sua espuma, além da menor quantidade de eletrólitos necessários para o ganho de viscosidade, o Green CAPB-B permitiu a formação de uma espuma cremosa e estável.

Figura 1. Teste de objetivo para avaliação de propriedades de espuma.
O Green CAPB-B @1% promoveu uma redução de 19% na quantidade requerida de dadores
de viscosidade na formulação em comparação com a betaína derivada do óleo de palma.

A fim de avaliar a eficácia do produto, uma pesquisa interna subjetiva mostrou que o uso de Green CAPB-B promoveu uma melhor definição de cachos, alinhamento de cabelo, redução de volume e efeito duradouro comparado ao uso de betaína de óleo de palma.

Tabela 1. Estudo comparativo em Shampoo: Cocamidopropil Betaína do Óleo de Babaçu vs Cocamidopropil Betaína de Óleo de Palma.

Esse tipo de posicionamento de uma especialidade, levando em consideração o seu histórico de produção, isto é, a rastreabilidade a nível de comunidades produtoras, além de composição química completa da matéria prima, vem de encontro às principais exigências não somente de receptores finais (aquele consumidor que encontra o produto sutilmente colocado na listagem de ingredientes do produto nos rótulos), como também de canais de distribuição, empresas e grupos internacionalmente consolidados que conhecem e gerenciam as principais exigências destes receptores.

Figura 2. Teste em mechas mostrando o efeito de longa duração, definição de cachos e melhora no frizz obtidos pelo Green CAPB-B comparado à betaína derivada da palma.

Assim, a Citróleo vem se destacando no cenário mundial de ativos e insumos para cosméticos, devido a sua insistente busca por produtos que preservem sua história, através do respeito à empresa, à cultura e ao conhecimento de seus produtores. O Grupo Citróleo acredita que somente dando assistência e apoio a iniciativas socioambientais para as comunidades que produzem sua matéria-prima, é que se garante a sustentabilidade real em toda a sua cadeia produtiva. Afinal, a aliança entre natureza, inovação e bem-estar é a essência da empresa e de todos os seus colaboradores.